A importância das normas em desenhos técnicos

Quando elaboramos um trabalho escrito, os textos precisam seguir padrões e regras que facilitam sua compreensão e proporcionam um maior entendimento: regras de sintaxe, ortografia e concordância ajudam o autor a transmitir suas ideias de forma mais coesa e clara.

Da mesma forma, funcionam as regras no desenho técnico: indicações, marcações e símbolos são frequentemente utilizados para melhorar a comunicação do projetista com o profissional que irá executar o projeto e diminuir os possíveis erros.

Essas regras são definidas com base em acordos internacionais entre os países e são imprescindíveis tanto para o projetista (aquele que pensa, calcula e elabora o desenho) quanto para o executor (aquele que transforma os desenhos em projetos reais).

  • Quem cria e regulariza as normas?

Cada país elabora suas normas e, no Brasil, elas são editadas e aprovadas pela ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas, criada em 1940.

Os órgãos responsáveis por essa normalização em cada país criaram a Organização Internacional de Normalização (International Organization for Standardization – ISO), em 1947, Londres. É essa norma que facilita o intercâmbio de produtos e serviços entre as nações. Quando os membros da ISO de cada país se reúnem, e a norma criada é aprovada, eles organizam e editam-na como norma internacional.

Após a edição da ABNT, as normas são registradas no Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial – INMETRO como normas brasileiras – NBR para estar de acordo com as normas internacionais aprovadas pela ISO.

Como citado acima, a ABNT normatiza a execução dos desenhos técnicos. Para isso, os procedimentos adotados abordam desde a denominação e classificações dos desenhos até a representação gráfica.

  • Por que estar de acordo com as normas?

A importância de estar de acordo com as normas baseia-se na necessidade do autor do desenho estar expressando algo que seja entendido por outra pessoa. No caso de um desenho técnico, o projetista tem que passar todas as informações necessárias do projeto para quem irá fabricar ou executar o mesmo.

As regras que regem os desenhos técnicos são difundidas pelo mundo todo e por todos os profissionais que o utilizam de alguma forma. Quando o desenho está de acordo, a fabricação ou execução se torna muito mais fluida, pois não há a necessidade de “decifrar” o que se estava querendo expressar em tal desenho.

Muitos projetos requerem detalhes e diversas informações podem ser perdidas caso não sejam passadas de forma clara e padronizada. Sem uma boa comunicação, as peças podem ser fabricadas incorretamente acarretando em problemas como: falhas no projeto, aumento de gastos, retrabalho para a produção da peça, desperdício de matérias, dentre outros.

  •  Há riscos para um projeto que não está de acordo com as normas?

Quando falamos de um projeto mal elaborado, existem dois grandes riscos que podem vir a ocorrer: riscos financeiros e riscos do projeto.

Após ser elaborado, o projeto passa para sua fase de execução, que consistem em operários e profissionais que irão comprar, fabricar, montar e ou executar o projeto. Se o desenho técnico não seguir as normas e for de baixa qualidade, acaba não ficando claro para o profissional, podendo acarretar na compra de materiais errados ou desnecessários, fabricação de peças defeituosas ou que não funcionam corretamente.

Esse desperdício de material e tempo é repassado ao cliente em forma de gastos extras, que muitas vezes inviabilizam o projeto ou sua execução dentro do prazo.

Além disso, não será garantido o funcionamento ideal do projeto, basicamente invalidando todas as informações estudadas e calculadas para o mesmo. As máquinas podem diminuir sua vida útil, sua produtividade e apresentar defeitos devido à componentes mal projetados.

Ademais, um componente mal desenhado, consequentemente mal fabricado, pode proporcionar, por exemplo, o funcionamento incorreto de uma máquina de corte ou uma viga mal projetada e colocar em risco a integridade física dos próprios operadores das máquinas, das pessoas que circulam pelo local, etc.

  • A Impacto Jr.

Por esses e outros motivos nós da Impacto temos total cuidado na elaboração dos desenhos técnicos, colocando em prática o que aprendemos nas disciplinas que focam exclusivamente nesse assunto, pois consideramos que o desenho técnico seja uma das partes mais importantes do projeto.


Sugestões de leituras: